sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

A MORAL DO CRISTIANISMO POR SAM HARRIS

Sam Harris é escritor, filósofo, e neurocientista, mora em Los Angeles e é o ateu mais temido dos EUA. É o autor das obras:  Carta a uma Nação Cristã, A morte da fé: Religião, terror e o futuro da razão sendo esta premiada.

Neste vídeo postado no Youtube (traduzido em português) Harris ressalta temas de extrema importância como o inferno e a morte de milhares de crianças e a indiferença ou incapacidade de um deus que não ouve orações que é o caso do deus Jeová. 

Realmente o cristianismo atual não prega a verdade, mas prega mentiras. Um ponto muito bacana que Sam Harris ressalta é quando o cristão ora e algo positivo acontece em suas vidas e canta músicas, a sensação é de bem estar e logo é declarado que “deus é bom”, mas quando milhões morrem dizem que “deus” é misterioso e que ele sabe o que faz, desculpa teológica antiga que não é aceitável pra quem deseja compreender mistérios.

Não podemos afirmar que o deus do VT é bom, pois foi ele que ordenou o massacre dos Amalequitas por exemplo. Cadê a bondade? A misericórdia?Assistam o vídeo, pois a luz de entendimento de Sam Harris é notável. Sam Harris entendeu que o deus Jeová é um deus mau.

Fontes adicinais: Site Oficial | Perfil Oficial no Facebook


video

sábado, 7 de dezembro de 2013

PREPÚCIO SAGRADO

Alguém deve estar se perguntado: O que tem haver o prepúcio com assuntos bíblicos? Uma boa pergunta a se fazer ao deus Jeová que deu tanta ênfase num pedaço inútil de pele que ele mesmo inventou. Já que ele criou o pênis porque não formou todos circundados? Muito bem, a circuncisão consiste na remoção do prepúcio, pele que recobre a glande do pênis. O pacto da circuncisão Jeová fez apenas com os judeus e com mais ninguém, e a criança deveria ser circuncidado ao oitavo dia do nascimento, e este seria o sinal visível do pacto entre Jeová e seus escolhidos; Gn 17:11-12 / Lv 12:3. E o menino que não fosse circuncidado deveria ser morto e essa ordem veio de Jeová; Gn 17:14. O pacto do prepúcio começou com Abraão que só foi circuncidado quando tinha 99 anos; Gn 17:24. Antigamente não tinha anestesia e era um ritual feito com faca de pedra; e naquela época havia um lugar chamado de MONTE DOS PREPÚCIOS; Js 5:3.

Antes de Abraão a circuncisão teria evoluído no Egito. Prova disso é a descoberta por arqueólogos de falos circuncidados em uma necrópole de Tebas de 1500 A.C e muitas outras provas. Embora a cúpula egípcia não seguisse a religião monoteísta (crença em um único deus) queriam popularizar a circuncisão por ‘N’ razões. A circuncisão era considerado um ritual de iniciação, então a circuncisão não começou com Abraão, já era praticado pelos antigos, inclusive por reis e faraós. É um ritual que acabou agregando uma grande quantidade de significados de alcance mundial tais como: Religioso, iniciativo, estético e medicinal. A circuncisão hebraica é o melhor exemplo que temos, pois o judaísmo considera o corte do prepúcio como uma validação da aliança com o deus Jeová. Nesse caso purificação só pros homens, mulheres ficam de fora do pacto, ou seja, são consideradas imundas por causa de sua menstruação.

Em relação ao cristianismo, se fala em circuncisão do coração ou circuncisão espiritual; Fl 3:2; Tt 1:10. No velho testamento Jeová também usava linguagem figurativa da circuncisão; Dt 10:16 / Jr 4:4. Limpeza tal que nunca acontecia, pois um pedaço de pele não transforma a vida e o caráter do homem, é um rito inútil


Davi o rei dos prepúcios
Mical filha de Saul se apaixonou por Davi, notícia tal que logo chegou aos ouvidos de Saul que se agradou da idéia, pois Saul queria que Davi fosse pra guerra e morresse. Saul então declarou que não era necessário o dote, mas para que desse sua filha Mical como esposa, Davi deveria trazer 100 prepúcios de filisteus; I Sm 18:25. Acontece que Jeová era com Davi e na carnificina Davi trouxe 200 prepúcios a Saul. E é obvio que para se cortar 200 prepúcios primeiro era necessário matar. Então Davi se levantou, e partiu com os seus homens, e matou dentre os filisteus duzentos homens, e Davi trouxe os prepúcios, e os entregou todos ao rei, para que fosse genro; então Saul lhe deu por mulher a sua filha; I Sm 18:27.

Uma curiosidade: Provavelmente Davi trouxe os prepúcios num saco misturado com sangue. Vamos imaginar duzentas peles de prepúcio dentro de um saco, o cheiro não deveria ser agradável, e é evidente que quem fez a contagem das fimoses não foi Saul, o serviço sujo ficou pra algum escravo e pobre coitado certamente. É algo realmente bizarro, II Sm 3:14. Prepúcio na época era um negócio em alta.

Aberrações Judaicas
Recentemente rabinos estadunidenses ganharam uma batalha judicial nos EUA e agora poderão succionar o pênis dos meninos que realizaram a circuncisão como parte do ritual judeu. Nos EUA os judeus realizam o pacto de Jeová cortando o prepúcio de seus bebês ao 8 dia do nascimento, o ritual é terminado lambendo a glande dos meninos. É uma pratica enti-higiênica, pois aumenta o risco de contrair infecções. Já foi relatada a morte de dois bebês desde 2010 provocados por este costume estúpido. Há pouco tempo atrás uma circuncisão foi mal sucedida no norte de Israel, quando o responsável pelo corte do prepúcio cortou acidentalmente um terço do pênis do bebe. A religião e os costumes de Jeová e o judaísmo é uma desgraça só. Fonte: SDP Notícias

Medicina
A explicação mais comum dos adeptos da circuncisão seria o fator higiênico e em muitos casos questão de saúde. A maioria dos profissionais da área médica aconselha a tal cirurgia, pois a circuncisão garantiria uma maior higiene ao órgão genital masculino, evitando uma série de afecções como sífilis, fimose, herpes, balanopostites, gonorreia, concentração de esmegma e etc. Seguindo esta linha de raciocínio, podemos afirmar que a circuncisão é o único tratamento válido para a fimose e a parafimose. Concluímos que muitas patologias podem ser evitadas com esse procedimento. No entanto não podemos nos esquecer que Jeová impôs o ritual não por questões de saúde, mas por uma questão de pacto que ele fez com juramento com a nação judaica, o problema é que Jeová não cumpriu a sua parte no contrato, isto é, fez promessas falsas.

Os sumérios e o pênis dos deuses
O pênis é um órgão considerado sagrado desde da considerada primeira civilização do mundo, a saber os Sumérios. Como o homem é a imagem e semelhança dos deuses, ou seja, os deuses também possuem um pênis gerador de vida e o tal era adorado. O escritor David M. Friedman escreveu o livro “Uma mente própria”, onde ele relata que a civilização antiga, o pênis tanto simbolizava a natureza irracional quanto a inteligência divina. Grande parte da literatura (mitologia) encontrada em Eridu, composta na primeira língua escrita do mundo, celebra as proezas do deus Enki um dos senhores do universo teria inventado o sexo, Enlil teria tomado o poder da terra. Muitos acreditam que Enki é o grande deus da terra e Enlil (Jeová) é o ladrão. Acontece que Jeová tomou o controle da terra e assumiu a autoria da criação do barro e assumiu a autoria da criação do mau. Leia um trecho publicado pela VEJA ONLINE sobre o grande pênis sagrado de Enki.

Pênis Sagrado na atualidade
O festival do pênis "Kanamari Matsuri" acontece há 40 anos em Kawasaki no Japão, onde mulheres e homens vestidos de mulheres carregam uma enorme estátua de um pênis gigante. A origem do festival remonta de uma prática antiga das prostitutas da cidade, que rezavam para um pênis metálico para encontrar clientes e proteção contra doenças venéreas. A lenda conta que um demônio possuiu a vagina de uma jovem, que durante a noite de núpcias decepou o pênis de um rapaz. Assustada, a jovem foi procurar por um ferreiro para que este lhe confeccionasse um pênis metálico, a fim de quebrar os dentes do demônio e o exorcizar.

Atualmente a simbologia é outra, o Kanamari Matsuri (“Festival do Pênis de Aço”) celebra a chegada da primavera e concede fertilidade aos que participam do evento. A verba adquirida durante o festival é doada para grupos que combatem DSTs e o HIV. Há ainda um outro festival do pênis no Japão que se chama "Honen Matsuri", sendo este mais voltado para a fertilidade das colheitas, ou seja, adoração a um pênis gerador de vida muito parecido com o que os sumérios faziam. Fonte G1

A interpretação da teologia

A teologia tenta explicar em seus cursos e seminários que Jeová estabeleceu o pacto do corte do prepúcio pois os israelitas com sua mentalidade rude ou infantil precisavam de ser estimulados por sinais concretos e visíveis e ao mesmo tempo, incentivo da adesão ao monoteísmo, pois Israel era politeísta. Ora se Jeová é o oleiro porque não gerou Israel com uma mentalidade elevada? Ensina a Teologia que a circuncisão judaica era um sacramento da antiga Lei mediante o qual os israelitas recebiam a remissão do pecado original. Acontece que o ensino da teologia pode ser jogado fora, pois circuncisão de órgão sexual nunca tirou pecados.

Circuncisão feminina

A circuncisão de mulheres é chamada de mutilação genital, é uma prática realizada em vários países, principalmente na África e na Ásia. A circuncisão feminina é uma operação que amputa o clitóris, para que ela não sinta prazer na relação sexual. Não há fundamento religioso para esse ritual tenebroso, mas é uma forma cruel e machista de colocar as mulheres dependentes dos homens. A circuncisão feminina é uma prática que gera danos irreparáveis e em muitos casos a morte. Por causa de uma cultura maldita, muitas pessoas acreditam que se essa mutilação não ocorrer, a mulher não conseguirá encontrar um marido, já que uma mulher circuncidada é sinal de pureza. Mulheres que não foram mutiladas são muitas vezes excluídas pelo resto da sociedade.

Benefícios da circuncisão masculina 
De acordo com três estudos realizados na África, no Quênia, Uganda e África do Sul, a circuncisão diminui em 60% os riscos de infecção pelo vírus da Aids (HIV). Segundo a OMS, a circuncisão pode diminuir em 60% o risco de contrair HIV no indivíduo que penetra, e previne herpes e outras doenças. Seu impacto será maior onde a infecção pelo HIV transmitido heterossexualmente é mais freqüente onde poucos homens são circuncidados, segundo a OMS. A demonstração da eficácia da circuncisão é "um marco na história da prevenção do HIV", segundo a OMS e a OnuAids. A freqüência ("prevalência") da infecção na população total ultrapassa 15%, com a propagação do vírus principalmente heterossexual, e onde mais de 80% dos homens não são circuncidados. Segundo estes dados fica-se evidente que a propagação da AIDS é feita por heterossexuais e não somente por homossexuais. Hoje, 665 milhões homens são circuncisos, ou seja, 30% da população masculina mundial, segundo estimativas. Fonte adicionais: G1 | UOL - Circuncisão: A tradição do corte | Wikipedia


Conclusão

As pessoas tem mania de dizer que a bíblia é uma manual de vida para o ser humano, e que tudo que precisamos saber esta escrito nela. Acontece que principalmente no velho testamento só encontramos aberrações e ensinos malditos. Neste poste verificamos que a circuncisão é um ritual inútil com relação a questões religiosas. Segue abaixo um vídeo psicodélico de ódio, exaltação adoração do pênis, o órgão gerador de vida mortal.

video

sexta-feira, 8 de novembro de 2013

DEUS NO BANCO DOS RÉUS

O filme God On Trial, (Deus no banco dos réus) foi produzido pela BBC e o tema do filme é sobre o grande holocausto dos judeus feito pelas mãos de Adolf Hitler. O desenrolar da história se dá num barracão de Auschwitz onde os condenados a morte, antes de ir para uma câmara de gás, decidem nas poucas horas que lhes restam de vida julgar "Deus", ou seja, foi discutido naquele pequeno tribunal porque o pacto que o deus dos judeus fez com eles com juramento foi quebrado. 

Nesse caso “Deus” é acusado de quebra de contrato, foi discutido ali muitos pontos como compreender a mente de Deus, teste de fé, limpeza ou purificação de raça e etc. No final foi colocado na roda para reflexão o holocausto de crianças, as inundações e pragas do Egito, seriam aquela atitudes de um Deus bom? Todas essas mortandades seriam uma prova de amor? Que tipo de amor é esse afinal? Seria todo o poder, a gloria, a majestade de um deus contra os homens?

Deus no banco dos réus não é um filme de guerra, nem de religião, mas é um filme que leva o telespectador a uma grande reflexão racional sobre fatos que foram acontecendo ao longo da história da humanidade e muita gente tem medo de colocar as atitudes de Deus em cheque, com receio de blasfemar e perdem uma bela oportunidade de compreender muitas coisas.

O filme é fantástico e vale a pena ser assistido por completo. Algumas questões devem ser feitas tais como: Porque “Deus” jurou pela sua “santidade” que não quebraria a sua aliança / Pacto ou contrato simplesmente passa por cima de seu próprio juramento e entrega seus filhos para serem mortos de uma forma horrenda. Vale a pena assistir, é excelente.


video

domingo, 3 de novembro de 2013

SEXO ANTES DO CASAMENTO

Já que as pessoas religiosas gostam de seguir os ensinos da bíblia, vamos verificar então se sexo antes do casamento é pecado mesmo...

Primeiramente vamos entender os termos usados na bíblia para se referir às praticas sexuais ilícitas e os tais são: Abrasamento, fornicação, prostituição e adultério. Abrasar significa aquecer ou acalorar-se, entusiasmar-se, ou seja, excitar-se. Fornicação é um termo muito usado no meio protestante. O termo em hebraico é "זנות" usado para as três palavras: Fornicação, prostituição e adultério. No grego a palavra é "πορνεία" (Porneia). O termo prostituição no antigo testamento era usado tanto para mulher casada como para solteira; Lv 21:7 / 19:29 / Gn 38:15 e 24 / Dt 23:19 / Js 2:1.

Porneia não é uma palavra específica para relação sexual entre solteiros, ou seja, o termo usado tanto no hebraico como no grego não tem nada haver com sexo entre solteiros. O termo no grego aparece 26 vezes no NT que entra como adultério também. O termo é raramente usado de um amante masculino, sempre no feminino com raríssimas exceções; Nm 25:1. Pra Jeová o problema são as mulheres, a condenação é dura quando uma mulher transa com mais de um homem; Gn 38:24. Mulher que adulterava ou se prostituía era queimada viva ou apedrejada até a morte. Com os homens era diferente, podia-se fazer sexo com quantas mulheres quisesse e essa cultura machista dura até hoje. A pergunta é: Porque Jeová frisava tanto a virgindade da mulher? E do homem? Porque um valor elevado da virgindade feminina? Prostituição também pode ser usado no sentido figurado de adoração a ídolos; Ez 23:27 / Jr 3:2.

O que significa casamento?
Tem muita gente falando de sexo antes ou depois do casamento e nem sabe o que significa o termo casamento. Casamento no conceito que temos hoje é: Namorar = noivar = assinar um documento no cartório = cerimônia religiosa. A indústria de casamentos no Brasil movimentou 10 bilhões só em 2012 segundo o IBGE, e é um mercado que dificilmente entra em crise. Muitas pessoas acham que o ato sexual só pode ser feito depois de tudo isso, mas esse é o pacote, isso não é CASAMENTO, casamento na realidade é o próprio sexo. É por isso que sexo antes do casamento não existe, já que sexo é o casamento. Não é a festa ou a cerimônia que determinam que você esta casado, mas sim a primeira relação sexual. O texto diz: Deixará o homem pai e mãe e se unirá à sua mulher, e eles se tornarão uma só carne; Gn 2:24. Aqui está o que significa casamento, casamento é se tornar uma só carne que é o sexo. Quem transa casa.

Casamento e compromisso são coisas diferentes
Quando duas pessoas se amam e desejam morar juntas, elas planejam conquistar bens materiais e gerar ou adotar filhos e vão ao cartório assinar contrato de responsabilidade com comunhão ou não de bens, e para declarar diante do Estado e dos familiares que moram juntas, mas o casamento se deu quando os dois se uniram sexualmente. Casamento é o sexo. Por exemplo uma prostituta (o) atende 12 clientes numa noite, logo se casa 12 vezes, mas não firmou compromisso com nenhum. Esse ou essa prostituta se fez uma só carne com doze parceiros e isso é sexo por dinheiro que caracteriza prostituição sexual.

Jeová o Cafetão da Zona
Os mandamentos de Jeová são cheios de problemas, analisemos alguns casos. Em Êxodo 22:16-17 Jeová disse: Se alguém enganar alguma virgem, que não for desposada, e se deitar com ela, certamente a dotará e tomará por sua mulher. Se seu pai inteiramente recusar dar-lha, pagará ele em dinheiro conforme ao dote das virgens. Esse é o texto usado pelos pastores para obrigar solteiros que fizeram sexo a se casar. Mas esse é um mandamento dado aos judeus e não para as outras nações. Observações:
  1. Desposada – Significa que a moça não estava compromissada com ninguém;
  2. Quem decidia se ia casar ou não era o pai;
  3. Se o pai não quisesse o homem como genro, era só fazer o pagamento pelo serviço.
  4. Mesmo sem amar, se o pai decidisse que iria casar, a moça era obrigada a casar.  
A coisa funcionava da seguinte forma: Se um homem tirou a virgindade de uma moça e o pai não o quisesse como genro, era só fazer o pagamento. Mas e se, por exemplo, esse homem tivesse tirado a virgindade de 10 filhas como fica? Jeová deu a solução: É só pagar em dinheiro pelas dez moças que podia ir embora numa boa. Daí nasceu o conceito de zona ou puteiro, na verdade o pai das jovens para ganhar dinheiro montava uma zona justamente por causa do mandamento de Jeová. Em Números 31:17-18 temos um abacaxi pra ser descascado: No retorno de uma certa peleja onde a ordem era para matar a todos sem misericórdia, isso inclui: Mulheres, crianças, mulher grávida, homens, velhos e crianças de peito e etc. Moisés se indignou pois os capitães de batalha não mataram a todos como Jeová ordenara, (tiveram mais misericórdia que Jeová) e deixaram algumas mulheres vivas inclusive crianças, e Moisés disse: Agora, pois, matai todo o homem entre as crianças, e matai toda a mulher que conheceu algum homem (que tinha perdido a virgindade com marido), deitando-se com ele. Porém, todas as meninas (adolescentes) todas as virgens, deixai-as viver para vós. 

No verso 21 identificamos o autor da pedofilia e do estupro: Este é o estatuto da lei que Jeová ordenou a Moisés. Quem ordenou deixar as virgens vivas pro deleite sexual dos capitães? Moisés? Não é isso que o texto diz, esse era um estatuto do deus Jeová. Os mandamentos de Jeová cheiram tão mau que só quem acostumou com cheiro de podridão não consegue perceber que algo esta errado no VT. Casadas era pra morrer era lixo, as virgens tinham valor para ser estuprada e depois virar escrava sexual. Jeová faz diferença se a moça era virgem e não virgem. Jeová deixou com vida as virgens adolescentes para saciar o desejo dos homens de guerra, isso é pedofilia e estupro, sim Jeová é o deus dos pedófilos e dos estupradores. Ninguém tem coragem de pregar isso nos templos nem na televisão, pois são atitudes inaceitáveis na sociedade atual.

Em Levítico 19:20 temos mais um problema: E, quando um homem se deitar com uma mulher que for serva desposada (escrava sem compromisso) com outro homem, e não for resgatada nem se lhe houver dado liberdade, então serão açoitados; não morrerão, pois ela não foi libertada. Aqui Jeová permitiu que uma escrava que não tivesse compromisso com ninguém poderia ter relação sexual sem se casar. Como foi o caso de Abraão que era casado com Sara, mas teve relação sexual com a escrava Agar, pois Agar era livre e não tinha compromisso com ninguém. Abraão foi lá e teve um filho com a escrava, tudo debaixo das vistas de Jeová que não considerou o ato prostituição e nem adultério.

Jeová disse: Não contaminarás a tua filha, fazendo-a prostituir-se; para que a terra não se prostitua, nem se encha de maldade; Lv 19:29. O pai pelo mandamento de Jeová poderia deixar a filha transar a vontade com qualquer homem contanto que o homem pagasse em dinheiro pela diversão. Agora Jeová vem dizer que sexo é maldade? Só deixa de ser maldade se fizer o pagamento, ou seja, sexo e dinheiro andando juntos.

Em Dt 20:13-14 Jeová disse: E todo o homem que houver na cidade passarás ao fio da espada. Porém, as mulheres, e as crianças, e os animais; e tudo o que houver na cidade, todo o seu despojo, tomarás para ti; e comerás o despojo dos teus inimigos, que te deu Jeová teu deus. Nas guerras Jeová tinha outra medida de justiça, ou seja, não tinha justiça quando Israel ia pras matanças. A orientação de Jeová nesta peleja era para matar a todos ao fio da espada menos as mulheres e as crianças. Nem preciso dizer qual a finalidade pela qual as mulheres jovens e adolescentes foram conservadas com vida.

Em Dt 22:23-29 temos mais uma devassidão de Jeová que disse: Quando houver moça virgem, desposada (sem compromisso), e um homem a achar na cidade, e se deitar com ela, então trareis ambos à porta daquela cidade, e os apedrejareis, até que morram; a moça, porquanto não gritou na cidade, e o homem, porquanto humilhou a mulher do seu próximo; assim tirarás o mal do meio de ti. E se algum homem no campo achar uma moça desposada, e o homem a forçar, e se deitar com ela, então morrerá só o homem que se deitou com ela; porém à moça não farás nada. 

Pois a achou no campo; a moça desposada gritou, e não houve quem a livrasse. Quando um homem achar uma moça virgem, que não for desposada, e se deitar com ela, e forem apanhados, então o homem que se deitou com ela dará ao pai da moça cinqüenta siclos de prata; porquanto a humilhou, lhe será por mulher; não a poderá despedir em todos os seus dias.

Jeová dá mais valor se o sexo acontecer na cidade ou no campo do que o ato sexual si. Se a moça não gritar deve morrer, se gritar morre só o homem. Se ninguém pegar nada acontece, fica por isso mesmo, mas se forem pegos transando o homem deve pagar pelo serviço e não pode mandar a moça embora, ou seja, devem casar sem amar, é exatamente isso que Jeová esta determinando: Casamento sem amor. Se não for apanhado, (pego) é normal, o problema esta se pegar em flagrante. Belos mandamentos esses que Jeová deu aos judeus.

Em Dt 20:7 Jeová autoriza o sexo antes do casamento. No caso do soldado se tiver compromisso com uma virgem, isto é, o noivo para que não corra o risco de ir pra guerra e morrer, deve antes transar com a noiva antes do casamento pra não correr o risco de outro fazer. É exatamente isso que esta escrito. Quando Davi herdou o trono no lugar de Saul, Davi ficou com as mulheres de Saul, e eram varias mulheres, e isso não é adultério? Quer dizer então que o homem segundo o coração de Deus pode ter mais de uma mulher? Jeová disse: E te dei a casa de teu Senhor, e as mulheres de teu Senhor nos teus braços, e também te dei a casa de Israel e de Judá, e, se isto é pouco, mais te acrescentaria tais e tais coisas. Jeová questiona a Davi se é pouco as mulheres que ele herdou de Saul, que se for o caso era só pedir mais; II SM 12:8. Jeová se esqueceu do não adulterarás dos 10 mandamentos, certamente com Davi abriu uma exceção para que a poligamia fosse praticada livremente. Como no caso de Jacó que teve duas esposas oficiais e duas escravas para praticar sexo à vontade onde teve 12 filhos e muitos deles de escravas, tudo debaixo das vistas do adultero Jeová que odeia a mentira, mas abençoou o mentiroso Jacó mesmo tendo enganado Esaú duas vezes; Gn 27:36 / Sl 101:7.

Davi adulterou com a mulher de Urias e para que não descobrisse o colocou na frente da batalha para morrer e Jeová pra se vingar, matou a criança inocente e derramou o mau sobre toda a casa de Davi, disse Jeová: Eis que suscitarei da tua própria casa o mal sobre ti, e tomarei tuas mulheres perante os teus olhos, e as darei a teu próximo, o qual se deitará com tuas mulheres perante este sol. Porque tu o fizeste em oculto, mas eu farei este negócio perante todo o Israel e perante o sol; II SM 12:11-12. Jeová por vingança contra Davi organizou uma pornografia em praça pública com as mulheres de Davi perante todo o Israel. 

Jeová fez birra, pois disse que o que Davi fez em segredo iria fazer publicamente. E Absalão possuído pelo espírito de Jeová armou uma tenda e transou com todas as mulheres de Davi na frente de todos, inclusive na frente de crianças e adolescentes. Nesse caso transar antes ou depois do casamento foi pro espaço, a vingança de Jeová falou mais alto do que o não adulterarás de fachada da lei. O que Jeová promoveu foi prostituição e adultério e do mais baixo nível possível. Vendo algo dessa natureza entendemos que Jeová é a favor da prostituição e do adultério e não contra.

Em Gn 19:31-38 temos o caso do insesto das filhas Ló que transaram com o próprio pai para continuar a descendência, pois sexo de pai com filha, mãe com filho, irmão com irmã, era costume da terra, era normal; verso 31. Pergunta-se que tipo de bebida Ló bebeu que transou com as duas filhas e nem percebeu coisa alguma. Jeová destruiu Sodoma e Gomorra por ser uma cidade malvada e não temos registro de Jeová ter condenado o insesto das filhas de Ló, Jeová não se manifestou sobre o caso, pois deve te achado normal. O autor da carta aos hebreus declara o seguinte: Venerado seja entre todos o matrimônio e o leito sem mácula; porém, aos que se dão à prostituição, e aos adúlteros, “Deus” os julgará; Hb 13:4. O que dizer da poligamia de Salomão que teve mais de mil mulheres e vivia no desfrute sexual debaixo das vistas de Jeová que achava natural.

Aóla e Aobila  
As linguagens metafóricas da bíblia são inúmeras, mas essa de Ezequiel Jeová realmente perdeu a linha. Samaria é Aolá, e Aolibá é Jerusalém. Jeová o homem traído, por meio de uma metáfora sexual indecente profetiza sua mágoa contra suas mulheres. O que revolta é que sempre a mulher é que é a prostituta nunca o homem, esse machismo em relação às mulheres é maligno. Jeová esta usando um exemplo de duas irmãs taradas por sexo. Eram casadas por isso eram adulteras, elas gostavam dos Egípcios porque o pênis deles eram grandes como o dos jumentos, e amavam o volume da ejaculação dos Assírios, semelhante à de cavalos. Essa era a tara de Israel pelos seus cafetões que a humilhava, mas ao mesmo tempo era prazeroso, era uma relação sadomasoquista. O problema é que foi o próprio Jeová que forçou Israel a entrar no Egito como escravo, Israel foi gerado no Egito e o responsável é o deus Jeová. É simples: Israel não iria se prostituir se não fosse escravo no Egito. Pra Jeová não existe o fugir da aparecia do mau, pelo contrário. Por exemplo: Eu deixo minha filha adolescente fazendo estagio num puteiro por 40 anos, minha filha vai se tornar o que? Santa? É claro que Israel iria se prostituir e era essa a intenção de Jeová que depois reclama do adultério; Ez 23.

Masturbação, sexo anal e oral 
Tomamos o exemplo de Onan que não quis ter filhos e quando fazia sexo com a mulher de seu irmão ejaculou fora, ou seja, se masturbou e Jeová o matou; Gn 38:8-10. Nesse caso Jeová o matou não pela masturbação, mas pelo fato de não querer ter filhos. Em relação ao sexo anal e oral não temos uma passagem se quer na bíblia condenando a prática. Os fundamentalistas gostam de citar a homossexualidade como prova de que Deus consideraria o sexo anal abominável. Acontece que quem decide o que deve fazer na cama é o casal.

Proibir um adolescente de se masturbar com a testosterona lá em cima é como exigir que as igrejas parem de pregar a porcaria do dízimo, ou seja, impossível. Tanto o homem como a mulher deve se masturbar, se tocar para conhecer o próprio corpo e como ele funciona (no caso de que nunca fez). Se inflamar de desejo, se reprimir sexualmente é a pior saída. O celibato imposto também é algo negativo, por isso vemos tantos escândalos dentro do vaticano, padres inflamados de desejos querem muito fazer sexo (o que é natural do organismo), mas não podem por causa da igreja e acabam fazendo bobagens, abusando de crianças e praticando homossexualismo. Tem pastores por aí proibindo a masturbação, dizendo que "Deus" vai "aliviar" com ejaculação noturna, certamente não iremos ouvir tamanhas baboseiras dessa natureza em nenhum outro lugar como no meio protestante.

O que é Moral?
Moral é o conjunto de regras adquiridas através da cultura, da educação, da tradição e do cotidiano que orientam o comportamento humano dentro de uma sociedade. O termo tem origem no Latim cujo significado é “relativo aos costumes”. As regras definidas pela moral regulam o modo de agir das pessoas. Tudo vai depender da legislação do país vigente. Dentro de cada religião existe uma moral, ou seja, costumes na área sexual. Na lei de Jeová não havia moral alguma, pois o estupro, a pedofilia, a poligamia e a bigamia eram costumes sexuais autorizadas pelo deus que deu a moral em 10 mandamentos que tinham validade somente no arraial do povo judeu, mas nem no próprio arraial de Israel havia moral sexual, havia na verdade libertinagem sexual que Jeová dava carta branca. 

Moral é um conceito individual de cada ser humano. No Brasil a poligamia e a bigamia é crime, casais homossexuais podem se casar e são reconhecidos pela legislação brasileira como uma família igual a um casal heterossexual, mas pro povo judeu é um pecado com pena de morte. Como o cristianismo segue a religião judaica foi herdada a moral sexual que Jeová ensinou aos judeus, ou seja, a moral cristã é hipocrisia pura. Que moral tem um pastor de pregar o sexo antes casamento, a castidade, a não masturbação e usa o velho testamento como base se tem profeta se casando com prostituta como no caso de Oseias? Os autores do velho testamento são devassos sexuais.

Conceito de família – Os defensores da família, da moral e dos bons costumes são os defensores dos costumes sexuais que eles acreditam ser o correto. Mas são os que mais acusam, pois eles acreditam que o que eles praticam é o modelo de Deus em relação à sexualidade. Então eles defendem a imoralidade do velho testamento. Não existe uma passagem se quer no VT que proíba sexo entre solteiros.

Vamos finalmente para o novo testamento. Jesus disse que se um homem pedir o divorcio a não ser por causa de traição, comete adultério. E no caso quem se casasse com a repudiada também estaria cometendo adultério; MT 5:32. Historicamente encontramos na lei de Jeová carta branca para o divorcio por qualquer razão, sim Jeová permitia o divorcio caso o homem perdesse o tesão pela mulher por exemplo. 

A opinião de Paulo sobre sexo 
Sabemos que o apostolo Paulo se fez casto, isto é, se fez eunuco por que quis. E é justamente nas cartas de Paulo que os fundamentalistas se apoiam para proibir o sexo entre solteiros, pra começar vamos analisar I Cor 5 que diz: Geralmente se ouve que há entre vós fornicação, e fornicação tal, que nem ainda entre os gentios se nomeia, como é haver quem abuse da mulher de seu pai. A visão da teologia sobre isso é que não seria a mãe legítima, mas a madrasta que escapou do pai que talvez tenham brigado e o filho se aproveitou e teve relações com ela, ou de concubinas ilegítima, ou seja, escrava. A Lei proibia relações sexuais com madrasta; Lv 18:8 / 20:11 / Dt 27:20. Paulo considera esse um pecado gravíssimo, mas era somente grave entre os judeus. Se nas guerras podia estuprar e fazer das mulheres escravas, transar com a madrasta é o de menos.

Agora vamos ler um texto chave que os religiosos usam para dizer que Deus se ofende com sexo entre solteiros, Paulo disse: Ora, quanto às coisas que me escrevestes, bom seria que o homem não tocasse em mulher; mas, por causa da prostituição, cada um tenha a sua própria mulher, e cada uma tenha o seu próprio marido. O marido pague à mulher a devida benevolência (sexo), e da mesma sorte a mulher ao marido. A mulher não tem poder sobre o seu próprio corpo, mas tem-no o marido; e também da mesma maneira o marido não tem poder sobre o seu próprio corpo, mas tem-no a mulher. 

Digo, porém, isto como que por permissão e não por mandamento. Porque quereria que todos os homens fossem como eu mesmo; mas cada um tem de Deus o seu próprio dom, um de uma maneira e outro de outra. Digo, porém, aos solteiros e às viúvas, que lhes é bom se ficarem como eu. Mas, se não podem conter-se, casem-se. Porque é melhor casar do que abrasar-se; I Cor 7:1-9. Paulo esta dizendo que é melhor transar do que pegar fogo, é melhor fazer logo do que viver infamado de desejo. O sexo faz bem pro organismo, o corpo humano foi feito pro sexo, o mundo gira em torno do sexo, tudo dentro deste universo é sexo.

Paulo esta dando sua opinião pessoal sobre sexo, nada disso é mandamento de Deus, mas é opinião pessoal de um homem. Sem contar que há machismo nas cartas de Paulo. Quem quiser viver no paulinismo fique a vontade...  

O livro erótico da bíblia
O livro de cantares ou cânticos dos cânticos foi escrito por Salomão, mas há quem afirme o contrário. Contem oito capítulos cujo conteúdo é sexo. Salomão teve 1.000 mulheres, mas resolveu escrever poemas eróticos para um “amor” apenas que ele tinha que era a Sulamita. Se Salomão amasse mesmo uma mulher só não precisava de tantas, na verdade Salomão não amou nenhuma, Salomão gostava mesmo era de sexo. 

A teologia interpreta os poemas de Salomão como sendo uma analogia entre Cristo e a igreja. Cantares de Salomão não tem conotação espiritual nenhuma, não adianta tapar o sol com peneira. Os poemas tratam da sexualidade de um homem ninfomaníaco. Vamos ler um trecho dos poemas de Salomão:

Os contornos de tuas coxas são como jóias, trabalhadas por mãos de artista. Os teus dois seios como dois filhos gêmeos de gazela. Quão formosa, e quão aprazível és, ó amor em delícias. A tua estatura é semelhante à palmeira; e os teus seios são semelhantes aos cachos de uvas. Vem, ó amado meu, saiamos ao campo, passemos as noites (transando) nas aldeias, Cant 7:1-11. Nos poemas de Salomão temos:
  1. Beijo na boca, Cant 1:2; (tudo começa pelo beijo e vai descendo)
  2. Apalpar os seios e beijá-lo, Pv 5:18-19; (sexo oral, começou na boca e já caiu pros seios)  
  3. Carinho com as mãos, Cant 8:3; (no corpo inteiro, inclusive nas áreas genitais: Pênis, vagina, seios e nádegas)
  4. Observar o corpo; Cant 4:7 / 7:1-3. (comer com os olhos, a atração sexual começa pelos olhos, isto é, a cobiça que sai dos olhos).
O que Jesus nos deixou de ensinamento sobre sexo entre solteiros? Nada, Jesus não citou o assunto. Sexo antes do casamento não é pecado. Paulo nos deixou um mandamento que se encaixa exatamente sobre o assunto de sexualidade: A fé que tu tens, tem-na para ti mesmo. E, feliz é todo aquele que não se condena naquilo que aprova; Rm 14:22-23. Sexo antes do casamento não é pecado porque sexo antes do casamento não existe.

Resumo
Não devemos usar o velho testamento como livro de princípios, muito menos de bons consumes, pois só tem coisas inconvenientes. A doutrina de Paulo é uma doutrina machista que oprime a mulher, e dita uma serie de costumes antigos e ultrapassados. Da sua vida sexual cuide você.

domingo, 20 de outubro de 2013

A MENTIRA DO ARREBATAMENTO

Introdução: Neste estudo vamos analisar a questão do arrebatamento, acontecimento tal que os cristãos esperam. Vamos tratar sobre a volta de Jesus. Haverá juízo final? Haverá trono branco? Haverá ressurreição de justos e ímpios? Vamos tratar também sobre a morte do sol. Analise e tire suas conclusões.

O que significa o termo arrebatamento? Arrebatar significa retirar, tirar de um lugar com força; arrancar. Mas de onde veio esta doutrina? Supostamente veio do apostolo Paulo, vamos à leitura do texto: Dizemos-vos, pois, isto, pela palavra do Senhor: Que nós, os que ficarmos vivos para a vinda do Senhor, não precederemos os que dormem. Porque o mesmo Senhor descerá do céu com alarido, e com voz de arcanjo, e com a trombeta de Deus; e os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro. Depois nós, os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, a encontrar o Senhor nos ares; I Tss 4:15-17. Eis aqui vos digo um mistério: Na verdade, nem todos dormiremos, mas todos seremos transformados; num momento, num abrir e fechar de olhos, ante a última trombeta; porque a trombeta soará, e os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos transformados; I Cor 15:51-54.

Analisemos imparcialmente:
  1. “Paulo” fala de nós, nós quem? “Paulo” se inclui no arrebatamento?
  2. Os que dormem? Quem morre dorme? Dorme aonde?
  3. Onde esta registrado nos evangelhos que Jesus na sua vinda ressuscitaria os mortos na condição material? Onde foi que Jesus falou a palavra arrebatamento?
  4. Voz do arcanjo? Qual arcanjo “Paulo” esta se referindo? Quantos arcanjos existem?
  5. Trombeta? Deus tem trombeta? De qual trombeta “Paulo” esta se referindo? Acaso estaria se referindo às trombetas do apocalipse? Qual delas “Paulo” se refere?
  6. Quando “Paulo” escreveu esta carta o livro do apocalipse já estava montado?
  7. Os que morreram em Cristo? Engraçado, e os que viveram antes de Cristo? Não serão salvos? O texto enfatiza que só irá ser salvo quem “Aceitar Jesus”.
Essas informações nas cartas de Paulo cheira adulteração e fabula. Essa doutrina diverge de seus ensinos. A doutrina do arrebatamento secreto, não foi encontrada na história de nenhuma literatura cristã até o século XIX. Tudo isso é invenção. Por exemplo, os autores da série “Deixados para Trás” consiste em afirmar que no futuro a terra experimentará um reinado de Jesus que durarão 1.000 anos. Antes deste reinado, os "verdadeiros crentes" serão "arrebatados" por Jesus, ascendendo com Ele de maneira secreta e silenciosa entre as nuvens.
Logo a trombeta soará em silêncio, ou somente os “privilegiados crentes” a ouvirão. Os infelizes que serão "deixados para trás" sofrerão um período de 7 anos de tribulações sob o comando do Anticristo e terão mais uma única chance. Ao findar os 7 anos, Jesus retornará para uma 3º vinda para resgatar os que o aceitaram. Jesus Cristo não assumiu o trono de Davi segundo a profecia de Daniel 9:24 e nem é o messias do Salmos 2, pois Jesus não regeu as nações com vara de ferro. Como a teologia não achou uma saída, inventou que as 70 semanas da profecia de Daniel não se cumpriram, porque ainda falta uma. Se 70 semanas estão determinadas, e ainda falta uma, que está por vir, então Cristo não encerrou o pecado na carne, logo Israel esta certa: O Messias de ainda não veio. A história dos 7 anos de tribulação, do milênio e do arrebatamento em carne e osso é uma invenção teológica.
Ressurreição dos homens na Carne - O erro se enraizou; a crença em um arrebatamento e em uma ressurreição de corpos físicos no “retorno de Cristo” ganhou fama e impregnou como uma praga. Embora o termo "corpo" seja amplo o suficiente para significar corpos espirituais, o significado físico foi concebido pelos antigos. Uma adulteração ou má interpretação relatada no evangelho de João, de que haveria um arrebatamento corporal na “volta do Jesus Cristo”, também sobreviveu e continua até hoje.
A noção de que Cristo retornaria na carne e visivelmente está intimamente relacionada com a ideia de um arrebatamento corporal e uma ressurreição da carne. Se o reino de Cristo é espiritual como ensinam os autores do novo testamento, não faz sentido ressurreição de corpos mortais; I Cor 15:50; Jo 6:63.

A Segunda Vinda de Jesus Cristo - Sua vinda não seria corporal, seria providencial; não seria visível, seria historicamente perceptível. Em Mateus 24:30, Jesus disse que "apareceria" o sinal do Filho do homem reinando no céu nos eventos que marcariam a destruição da cidade e do templo. Jesus disse ao Sinédrio: Eu o sou, e vereis o Filho do homem assentado à direita do poder de Deus, e vindo sobre as nuvens do céu; Mc 14:62. Essa é a mesma vinda "do seu reino" que Jesus disse aos apóstolos que aconteceria enquanto alguns deles ainda estivessem vivos. Em cada um desses versos a vinda do Senhor não seria física e nem visível; Mt 16:27-28 / Mc 9:1. Tudo isso também são invenções. 

Jesus Cristo Ressuscitou em Carne e Sangue? No evangelho de Lucas encontramos uma falsa ressurreição. Jesus supostamente “aparece” aos seus e teria dito: Vede as minhas mãos e os meus pés, que sou eu mesmo; apalpai-me e vede, pois um espírito não tem carne nem ossos, como vedes que eu tenho; Lc 24:39. Em João 20-31 temos o relato de Jesus ter “aparecido” aos discípulos e Tomé ter tocado no corpo de carne e osso de Jesus. No capítulo 21 Jesus aparece pela “terceira vez” aos discípulos, e ainda come peixe na brasa, a pergunta que se faz é: Se Jesus comeu e bebeu, pra onde foi aquela comida? Jesus foi ao banheiro aliviar o ventre antes de subir aos céus? Jesus antes de subir foi fazer xixi? São fabulas puras, tudo invenção.

Em Mateus 16:27 por exemplo e em outras passagens, diz que na “volta do filho homem”, “deus” daria a cada um segundo as suas obras. Acontece que a salvação do Pai é graça sobre graça. Se a graça de Deus esta ligada às obras, logo se anula a graça. Mais contradição gritante.

Ressurreição do Corpo de Lázaro - A história de Lazaro irmão de Marta e Maria é narrado unicamente no Evangelho de João e muitas vezes confundido com a parábola do Lazaro mendigo, citado no Evangelho de Lucas. Outra história mentirosa para fazer fama e tornar Jesus um deus. Mas, as circunstâncias históricas desse milagre provavelmente não são exatamente como narradas por João. Depois deste acontecimento a fama de Jesus se espalhou e Lazaro foi perseguido e morto novamente. A pergunta é: Jesus ressuscitou Lázaro para que morresse duas vezes?
A Morte do Sol - Segundo especialistas o sistema solar é idêntico a outros sistemas. O Sol é uma estrela e por isso vai morrer um dia. Quando e como isso acontecerá os astrônomos estão em debates. Para chegar a esta resposta, eles criaram uma teoria, com a qual podemos entender a formação de uma estrela, o que ocorre com ela ao longo do tempo, as mudanças de brilho e tamanho, e várias outras coisas. O mundo material tem um tempo de vida. No Egito o Sol era adorado como se fosse Deus, e o símbolo mais usado pelos Reis e Faraós era o Olho de Hórus, na mitologia a mais detalhes sobre isso. Veja como será a morte do sol, AQUI | AQUI

Pra encerrar, um assunto muito comentado atualmente é sobre a Nova ordem Mundial. Recentemente vazou informações de que a NASA detém de uma nova tecnologia que se chama “Blue Beam” que consiste em uma volta visível de Jesus ao mundo com efeitos holográficos, ou seja, com uma tecnologia avançada de efeitos visuais e comando do cérebro através de computadores. Testes já estão sendo feitos e em breve uma falsa volta visível de Jesus Cristo será presenciada pela humanidade, se isso é verdade ou não quem viver até lá vai poder comprovar.

Conclusão
Pros judeus Jesus não é o messias, Jesus não é deus. Nesse ponto eles estão certos, o cristianismo é uma grande farsa. Não existe arrebatamento e muito menos ressurreição de corpos. Arrebatamento, milênio, ressurreição são fabulas cristãs incoerentes para não dizer patéticas. Paulo é um grande mentiroso inventor de historias.

sábado, 14 de setembro de 2013

MARIA UMA FALSA VIRGEM


Introdução: Jesus realmente nasceu de uma virgem? Seria este um dos grandes mitos do cristianismo? Qual é a base para tal ensino? Porque os anos da adolescência de Jesus não foram narrados na bíblia e em nenhum outro lugar? Vamos analisar cada detalhe desta doutrina que atravessou gerações. Que Jesus realmente existiu isso não é mais um problema para historiadores e pesquisadores, Jesus Cristo realmente esteve entre nós, mas não como é pintado pela igreja. A grande dúvida é: como Jesus se tornou carne? Temos 3 possibilidades:
1. Nasceu de uma virgem (suposto milagre);
2. Era filho de José e Maria (Adocionismo / Sexo);
3. Encarnação (Se Materializou adulto). 

-Jesus filho de Davi-
Encontramos em 17 passagens do NT que descrevem Jesus como o filho de Davi. Mas como Jesus poderia ser o filho de Davi, se Davi morreu cerca de 1.000 anos antes de Cristo encarnar? Em Mateus 1 é relatado uma suposta arvore genealógica de que Jesus, na sua humanidade, foi um descendente de Davi por intermédio de José, o “pai adotivo” de Jesus. A genealogia de Lucas 3 é diferente, pois relata a genealogia dos antepassados de Maria que também é da linhagem de Davi. Se Jesus era filho somente da virgem Maria, (supondo que seja do espírito santo), Jesus levava consigo o sangue de Maria correndo em suas veias, logo levava em si material genético de uma pecadora, pois a virgindade de uma mulher não a torna santa. Tudo mentira!

Jeová declarou que o Sêmen é imundo; Lv 15:16. E Jeová também considerou a Menstruação da mulher impura, na lei tudo era imundice; Lv 18:19. Como uma mulher virgem pode ser considerada santa, se Jeová a considerou impura por sua menstruação? Dentro desta perspectiva concluímos que: Jesus é um descendente de Davi, por adoção através de José, e pelo sangue por meio de Maria. Mas essa tese é absurda, pois ninguém é considerado descendente legítimo se não houver um ato sexual entre um homem e uma mulher. 

Nessa troca de líquidos e fluidos, há sangue misturado com material genético. Jesus vindo do sêmen de José ou vindo de Maria virgem, dá no mesmo, a contaminação pelo sangue seria um fato. Partindo da ideia de que Jesus seria santo. Maria na sua virgindade pode ser considerada santa? Somente porque uma mulher nunca se relacionou sexualmente pode ser considerada sem pecado? É claro que não, todos pecaram menos Maria? Francamente!

-O Messias de Jeová-
Muitos associam a profecia do salmo 2 a Jesus Cristo, mas essa profecia não se cumpriu em Cristo, pois o messias do salmo 2 esmagaria as nações com vara de ferro, e quebraria os povos como o oleiro quebra o vaso. O messias do salmo dois vem derramar a ira de Jeová, e é o messias descrito no apocalipse. Como Jesus foi manso e teve um comportamento diferente, logo Jesus não herdou e nem herdará o trono Davi. Como uma profecia para um tempo presente pode ser declarada uma profecia futura? Jeová proclamou um decreto: Tu és meu filho, eu hoje te gerei, Sl 2:7. Esta profecia é repetida no suspeito livro de atos e no perigoso livro de hebreus cujo autor é desconhecido; At 13:33 / Hb 5:5.

No evangelho dos Hebreus não tem menção ao nascimento virginal e quando Jesus é batizado a obra afirma: Jesus saiu da água, o céu se abriu e viu-se o Espírito santo descer na forma de uma pomba e entrar nele. Em seguida, uma voz do céu disse: Esse é o meu filho amado, em quem me comprazo, Mc 1:11 / Mt 3:17. "Este é meu filho amado em que me comprazo", (agrado) é diferente de: Tu és meu filho hoje te gerei. Então o hoje do salmo 2 é o hoje depois do batismo de Jesus? Uma coisa não tem nada haver com a outra. Essa tese teológica não se sustenta.

-Adocionismo - 
Os cristãos acreditam que Jesus é o filho de Deus. A pergunta que se faz é: Jesus é filho de Deus, e os homens? São filhos de quem? Para a maioria dos adeptos do cristianismo, Jesus foi concebido pelo espírito santo e nasceu da virgem Maria. No entanto, há uma crença cristã chamada adocionismo. Os adocionistas acreditam que Jesus era 100% humano, nascido de uma união sexual entre José e Maria. Nesse caso, Jesus só se tornou divino mais tarde, em seu batismo. O adocionismo provavelmente surgiu entre os primeiros cristãos judeus, que procuravam conciliar as alegações de que Jesus era o filho de Deus, com o estrito monoteísmo do judaísmo (mas os judeus eram politeístas), onde o conceito de uma trindade era inaceitável. O início judaico-cristão dos evangelhos não faz nenhuma menção de um nascimento sobrenatural. Em vez disso, eles afirmam que Jesus foi gerado em seu batismo.

O credo de Niceia passou a afirmar que Jesus nasceu do "espírito santo" e da virgem Maria, como consta somente nos evangelhos de Lucas e Mateus, crença tal agasalhada pelos católicos e protestantes. Alguns estudiosos também vêem a teologia adocionista no evangelho de Marcos. Marcos tem Jesus como o filho de Deus, que ocorrem em pontos estratégicos do evangelho, em 1:1 e em 15:39. Mas o nascimento virginal de Jesus não foi narrado. A frase "Filho de Deus" não está presente em alguns manuscritos antigos de Mc 1:1.

Então o título de "filho de deus" para Jesus não é usado até seu batismo. Sendo assim, Marcos refletiria uma visão de adoção. No momento em que os evangelhos de Lucas e Mateus foram escritos, Jesus é retratado como sendo o filho de Deus, desde o momento do nascimento.

São Marcos e a Fonte Q?
A maioria dos estudiosos acreditam que o evangelho de Marcos foi o primeiro dos evangelhos canônicos a ser escrito, servindo como fonte para os evangelhos de Mateus e Lucas. A razão porque este evangelho recebe tanta atenção por parte pelos acadêmicos é a crença de que o evangelho de marcos e, provavelmente, a fonte Q, foram a base dos evangelhos sinópticos, como descrita na hipótese das duas fontes. Assim, os eruditos no NT concordam que o evangelho de Marcos é um documento, escrito em grego koiné, e que serviu de base para os evangelhos sinópticos. Ele fornece a cronologia geral da vida de Jesus, desde o batismo até o túmulo vazio, mas não fala sobre nascimento, virgindade de Maria e nem adolescia. O evangelho de Marcos é o mais curto dos evangelhos canônicos. Seus manuscritos, tanto os pergaminhos quanto os códices, possuem diferentes versões do texto, principalmente no início e no final.

-Final de Marcos-
A partir do século XIX, os estudiosos da crítica textual passaram a afirmar que Marcos 16:9-20, que descreve o encontro de alguns discípulos com Jesus ressuscitado, foi uma adição posterior ao evangelho, isto é, houve acréscimos e adulteração. Nesse caso, Marcos 16:8 seria o fim do evangelho de Marcos com a descrição do túmulo vazio, e que é precedido por uma declaração de um jovem vestido com uma túnica branca, afirmando que Jesus havia ressuscitado. Os últimos 12 versos estão faltando nos mais antigos manuscritos de Marcos. Além disso, o estilo destes versos é diferente do resto do evangelho, fica-se uma evidente interpolação. Em uma pequena quantidade de manuscritos, um final curto é incluído após Marcos 16:8, mas antes do final longo. E existe por si só em um dos primeiros códices latinos, e no codex bobiensis. Por volta do século V, pelo menos 4 finais diferentes foram encontrados. Possivelmente, o final longo (16:9-20) começou como um resumo das evidências para a ressurreição e a missão de Jesus para os apóstolos, com base em outros evangelhos. Provavelmente foi composto no início do século II, e incorporadas ao evangelho. Portanto, o evangelho de São Marcos originalmente terminou em 16:8. A explicação mais comum e aceitável é que o final foi perdido, se é que existiu o tal final.

-Maria é a virgem de Isaías 7:14?- 
Este é o texto em hebraico de Isaías 7:14 
(לָכֵן יִתֵּן אֲדֹנָי הוּא לָכֶם אוֹת הִנֵּה הָעַלְמָה הָרָה וְיֹלֶדֶת בֵּן וְקָרָאת שְׁמוֹ עִמָּנוּאֵל)

Leiamos a profecia: Portanto o Senhor mesmo vos dará um sinal: Eis que uma virgem conceberá, e dará à luz um filho, e será o seu nome Emanuel. Manteiga (coalhada) e mel comerá, quando ele souber rejeitar o mal e escolher o bem; (Tradução Almeida). Na tradução correta do hebraico sem manipulação fica assim: Portanto YHWH mesmo, vos dará um sinal: Eis que a jovem grávida, dada um filho, lhe deu por nome Emanuel. No hebraico o termo é עלמה, que significa a jovem ou moça, e não virgem. Todas as traduções que estiver à palavra virgem esta errada. Professores de hebraico podem confirmar esta informação. A conjugação do verbo esta no presente e não no futuro, ou seja, a jovem esta grávida, e não estará. Esta é uma profecia para a época presente, e não uma profecia para o futuro. Por isso a probabilidade desta jovem de Isaías 7 ser virgem é zero. 

Precisamos identificar quem é este Senhor, qual é o sinal, e quem é a “virgem”. Este senhor é Jeová. Preste muita atenção, pois uma grande mentira do cristianismo cairá ao chão. A criança é o Emanuel de Jeová, que não é Jesus Cristo, pois a profecia original teria sido proclamada em 734 A.C., antes que uma criança soubesse a diferença entre o bem e o mal, Rezim da síria (que ameaçava Israel na época) seria conquistada com guerras, ou melhor, carnificina. Esta profecia aconteceu 2 anos depois, quando a síria foi derrotada pelo rei da Assíria, Tiglate-Pileser III. Esta criança aparece no capítulo 8, onde se diz que, antes que ela tenha atingido a maioridade, peca da Samaria e o reino do norte de Israel seriam destruídos, o que ocorreu também pelas mãos da Assíria.

O texto hebraico se utiliza do singular para a primeira realização e do plural para a segunda, de longo prazo. Com a primeira, reassegura Acaz de que a aliança seria destruída antes que o Emanuel pudesse aprender a "rejeitar o mal e escolher o bem". Em Isaías 8:8, Isaías faz uma terceira profecia sobre o Emanuel, desta vez relacionada à invasão assíria da Judeia e ao cerco de Jerusalém durante o tempo de Ezequias. Abi, mãe de Ezequias, é por vezes identificada como sendo a jovem donzela de Isaías 7:14. A Assíria e Israel fizeram aliança para pelejarem contra Judá, Jeová interferiu no caso e disse: Isto não subsistirá, nem tampouco acontecerá. Jeová disse a Acaz para pedir um sinal de seu favor, mas Acaz se recusou, mesmo assim Jeová deu um sinal, e esse sinal é o nascimento do “Emanuel”; II Cr 28:16-21. Jeová fez fracassar a invasão de Israel e da Assíria contra Judá, mas Acaz pediu apoio justamente pra os reis da Assíria. Por causa disso Jeová enviou os babilônicos e a própria Síria para humilhar e destruir Judá.

O nascimento desse “Emanuel” como sinal, foi profetizado por Jeová pela boca de Isaías, e essa profecia já se cumpriu. O sinal era a criança, o Emanuel que simboliza “deus conosco”, ou seja, Jeová estaria com eles para dar vitória nas matanças. O Emanuel de Jeová significava vingança, despojo e mortes. Tudo isso aconteceu mais ou menos 700 anos antes do Cristo encarnar. Por isso o Emanuel não é Jesus Cristo, e a jovem donzela não é Maria, e muito menos virgem. A virgindade de Maria na concepção de Jesus é também uma doutrina no Islamismo. Os muçulmanos se referem a Jesus como "Jesus filho de Maria" (isa bin maryam), um termo repetidamente utilizado no corão. 

-Mateus 1:23-
A profecia de Isaías 7:14 é repetida em Mateus 1:23. Mateus ou o indivíduo que adulterou o evangelho, cometeu uma gafe, pois escreveu em grego sobre o nascimento virginal de Jesus, e cita o trecho de Isaías 7:14-16 da septuaginta, onde aparece a palavra (parthenos = virgem). O problema é que no hebraico traz "עלמה" (almah), que tem o significado de mulher solteira, noiva ou recém-casada, como é o caso da noiva de Acaz, Abi. Será que foi Mateus mesmo que citou a profecia de Isaías ou foi uma interpolação nítida e clara? Muito provável que a citação no evangelho de Mateus seja uma adulteração maldosa. Como a teologia não enxergou isso? Boa pergunta! Apenas nas traduções para o grego os verbos estão no futuro, ou seja, a mentira começa na tradução pro grego. A crença no mito começa quando se crê que pelo fato de uma mulher nunca ter transado, se torna santa, como se pecado se resumisse em um ato sexual.

-Jesus Negou ser o Primogênito de Maria-
Jesus não se casou, ou seja, se fez eunuco enquanto esteve entre nós, e isto era mau vista na época. Igualmente nos dias de hoje quem não se casa e não gera filhos, isto é, não forma uma família, gera preconceito. Jesus negou que Maria era sua mãe, e também negou que tinha irmãos de sangue. O texto diz assim: E, falando ele ainda à multidão, eis que estavam fora sua mãe e seus irmãos, pretendendo falar-lhe. E disse-lhe alguém: Eis que estão ali fora tua mãe e teus irmãos, que querem falar-te. Ele, porém, respondendo, disse: Quem é minha mãe? E quem são meus irmãos? E, estendendo a sua mão para os seus discípulos, disse: Eis aqui minha mãe e meus irmãos; porque, qualquer que fizer a vontade de meu Pai que está nos céus, este é meu irmão, irmã e mãe; Mc 3:31-35. Jesus tinha um Pai (celestial) mas não tinha pai e mãe (terreno). Por isso gerar filhos e perpetuar a vida mortal pode ser uma maldição, e não uma benção.

As pessoas confundem a palavra primogênito com unigênito. Primogênito significa o primeiro filho, e unigênito significa único gerado. Vamos ver o que diz Mateus 1:25: E não a conheceu até que deu à luz seu filho, o primogênito; e pôs-lhe por nome Jesus. A palavra primogênito não consta nos manuscritos em hebraico, este termo veio por influencia dos pais da igreja como dom Jerônimo e Aurélio Augusto. Maria e José tiveram muitos filhos por métodos naturais, o que garante que Jesus foi o primeiro se Jesus negou ser filho de Maria e de José? A igreja católica diz que Maria era virgem antes ter Jesus e continuo virgem até o fim de seus dias. Mentira! José e Maria tiveram outros filhos com José, Mt 13:55-56. Muito bem, vamos agora analisar o relato de Lucas e juntar o quebra cabeça.

Anjo Gabriel

Vamos analisar a narração de Lucas sobre o nascimento de Jesus: E, no sexto mês, foi o anjo Gabriel enviado por “deus” a uma cidade da Galiléia, chamada Nazaré, a uma “virgem” desposada com um homem, cujo nome era José, da casa de Davi; e o nome da virgem era Maria. E, entrando o anjo aonde ela estava, disse: Salve, agraciada; o “Senhor” é contigo; bendita és tu entre as mulheres. Disse-lhe, então, o anjo: Maria, não temas, porque achaste graça diante de "deus". E eis que em teu ventre conceberás e darás à luz um filho, e por-lhe-ás o nome de Jesus. Este será grande, e será chamado filho do altíssimo; e o Senhor Deus lhe dará o trono de Davi, seu pai; e reinará eternamente na casa de Jacó, e o seu reino não terá fim. E disse Maria ao anjo: Como se fará isto, visto que não conheço homem algum? E, respondendo o anjo, disse-lhe: Descerá sobre ti o espírito santo, e a virtude do altíssimo te cobrirá com a sua sombra; por isso também o santo, que de ti há de nascer, será chamado filho de Deus. Alguns pontos devem ser observados:
[1] O anjo dá a entender que nascer do sexo, significa nascer do pecado, e que não nascer de uma relação sexual torna um ser humano santo. Pergunta: Quem disse que o sexo é que torna um ser humano pecador? Quem disse que o problema é o ato sexual em si? [2] De onde Lucas tirou o nome Gabriel? [3] Gabriel disse a Lucas que este “Jesus” herdaria o trono de Davi. Como já vimos Jesus não herdará o trono de Davi. Se Jesus não pode ser considerado filho de Davi por causa de José (supondo que não houve o ato sexual), Jesus então é filho de Davi por causa de Maria pelo sangue, pois Maria é descendente de Davi segundo a genealogia de Lucas. Essa história de descendente de Davi por adoção por causa de José é falácia. Maria também era da linhagem de Davi pelo sangue.
Um anjo vem a José e atesta a tradução de uma profecia em grego, e não no que esta no hebraico. Se no hebraico esta escrito jovem ou moça, como um anjo vem atestar a virgindade de uma mulher que não é a mesma da profecia de Isaías? O anjo Gabriel trás uma tradução em grego e não em hebraico, como fica? Apenas nas traduções para o grego os verbos estão no futuro, ou seja, a mentira começa na tradução pro grego. Todos os nomes dado aos anjos são invenções humanas, e Lucas inventou Gabriel.

O anjo Gabriel aparece pela primeira vez em Daniel 8, anunciando acontecimentos catastróficos. Gabriel veio anunciar a ira do deus Jeová. Depois Gabriel é citado em Daniel 9, do verso 21 em diante revelando a interpretação do sonho que fora dado a Daniel que diz respeito a acontecimentos que constam no apocalipse, ou seja, o anjo Gabriel veio anunciar morte e destruição.

O anjo Gabriel reaparece no evangelho de Lucas anunciando o nascimento de Jesus, mas o anuncio do nascimento de Jesus não bate com o que foi anunciado no relato de são Mateus. Vale lembrar que Lucas não andou com Jesus, Lucas era historiador e médico, Lucas era um homem que entendia de historia. Quem então revelou esse nome pra Lucas? Pura invenção.


Respeitando ponto, virgula, passado, presente e futuro podemos entender o mistério: Mateus relata que o nascimento “foi assim”, ou seja, não foi de outra forma. Maria “achou-se”, já estava grávida. O anjo apenas veio lhe informar da gravidez. No relato de Mateus não tem anjo Gabriel. Segundo Mateus ou da pessoa que escreveu, Maria já estava grávida, e no relato de Gabriel a Lucas, Maria iria engravidar, o verbo esta no futuro. As duas narrativas não batem, são contraditórias. Existem muitas outras contradições no evangelho de Mateus com o de Lucas, como no caso da historia do centurião, Mateus 8 e Lucas 7 também não batem.

-Jesus Nasceu em 25 de Dezembro?-
Mateus afirma que o nascimento aconteceu durante o reinado de Herodes, sugerindo que Jesus pudesse ter até 2 anos de idade quando se teria ordenado o massacre dos inocentes. Lucas similarmente coloca o nascimento de Jesus como tendo ocorrido durante o reinado de Herodes, mas afirma que o nascimento aconteceu durante o censo de Quirino das províncias romanas da síria e Judéia, ou seja, uma década depois da morte de Herodes. O livro de Marcos é o mais antigo, Mateus e Lucas são praticamente copias. Nem Mateus, nem Lucas dão prioridade à virgindade de Maria, e no livro de marcos o assunto do nascimento nem é citado. Complicado hem... 

Milhões de pessoas em todo mundo celebram o aniversário de Jesus Cristo em 25 de dezembro. A verdade, entretanto, é que ele não nasceu no dia 25 de dezembro. A teoria mais forte é que a data tenha sido escolhida para se contrapor à principal festa religiosa dos romanos, do deus sol, que se dava na noite do dia 24. Na data, os romanos celebravam o solstício de inverno, quando acontecia a noite mais longa do ano. O ano de nascimento de Jesus, que marca o início da contagem do calendário que usamos o AC e DC está errado. Os evangelhos não fornecem datas precisas, apenas indícios. E muitas variáveis devem ser consideradas, como a diferença de calendários adotados por judeus e romanos à época.

Segundo o cristianismo, Maria teria dado à luz em Belém. Mas o local também é contestado por alguns estudiosos e arqueólogos. Belém, que fica na Judeia  é citada nos evangelhos de Lucas e Mateus, mas os especialistas dizem haver indicações de que ele teria nascido na Galileia, onde começou a pregar. O fato de ambos evangelhos situarem o nascimento em Belém é visto como uma tentativa de associar Jesus à profecia de Miqueias, que o messias esperado pelos judeus nasceria naquela cidade. Acontece que o messias profetizado em Miqueias não é Jesus Cristo. Se nem data e local de nascimento estão livres de controvérsia, tampouco as imagens reproduzidas nos presépios mundo afora, com o menino na manjedoura recebendo a visita dos três reis magos, são encaradas por estudiosos como realidade, ou seja, tudo pode ser uma fábula da igreja católica e aceita pelos protestantes.

As narrativas sobre o nascimento foram feitas 3 ou 4 gerações depois, quando as informações históricas e os testemunhos diretos já estavam perdidos. Sem detalhes claros sobre o nascimento de Cristo, há quem duvide de sua existência. Na opinião de especialistas, entretanto, essas correntes apresentam mais motivações ideológicas do que históricas, uma vez que há sim, provas da existência de Jesus, mas não existem provas nenhuma de seu nascimento. Se colocarmos Jesus como ficção, temos que colocar boa parte da história antiga na linha da ficção. A quantidade de fontes antigas que mencionam Jesus é considerável, inclusive em obras não cristãs. Não faria sentido pensar que uma quantidade tão grande de fontes compostas quase ao mesmo tempo e por autores diferentes fizesse referência a uma pessoa que nunca existiu, ou que fosse fruto de uma invenção humana. A ideia de que Jesus seria uma invenção mítica surgiu por volta do século 18, e nenhum estudioso sério defende tal tese. O mito do nascimento virginal veio antes do cristianismo de diversas religiões e seitas, logo pode ter tudo sido uma cópia.

-Os Anos Ocultos da Vida de Jesus-
A bíblia não menciona nada sobre a vida de Jesus dos 12 aos 30 anos. Assim tudo o que é dito sobre ele nesse período são suposições. E o mais estranho ainda é que somente Lucas nos dá uma migalha de informação sobre este período da vida de Jesus, Lc 2:40 e 52. Será que podemos colocar isso como doutrina? De onde Lucas tirou essa informação? A única referência à adolescência de Jesus nos evangelhos canônicos ocorre em Lucas, conhecido como "Jesus entre os doutores". Segundo este evangelista, aos doze anos Jesus foi com os pais de Nazaré a Jerusalém, para a festa da páscoa judaica, e lá surpreendeu os doutores do templo pela facilidade com que aprendia a doutrina, e por suas perguntas intrigantes.

-A Materialização do Cristo na visão de São João-
O evangelho de João não tem nascimento de virginal, não tem informações sobre adolescência e não tem anjo Gabriel, Cristo aparece do nada, e João quando o vê em sua forma física declara: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo Jo 1:29 e 36. Cristo é relatado em João como tendo duas naturezas: Uma divina e outro material. João apresenta um Jesus sem poderes sobrenaturais, mas também mostra um Jesus com a plenitude de seu Pai em movimento dentro de si. Jesus (João) disse: Na verdade, na verdade vos digo que o filho por si mesmo não pode fazer nada, se o não vir fazer o Pai; porque tudo quanto ele faz, o filho o faz igualmente; Jo 5:19.

João inventou essa fabula, João 1 diz: No princípio era o verbo (palavra), e o verbo estava com Deus, e o verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus. Todas as coisas (poder dado aos Elohins) foram feitas por ele, e sem ele nada do que foi feito se fez. Nele estava à vida, e a vida era a luz dos homens. E a luz resplandece nas trevas, e as trevas não a compreenderam. Ali estava a luz verdadeira, (se existe a luz verdadeira, existe uma falsa) que ilumina a todo o homem que estava vindo ao mundo. Jesus é narrado como a luz do mundo, não é a carne de Jesus que é a luz, mas o Cristo em sua divindade é a luz, segundo São João.

Continuando: E o verbo se fez carne, e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do unigênito (único gerado) do pai, cheio de graça e de verdade. Como o verbo se fez carne? Justamente esta é a resposta! Cristo é o verbo (palavra), se fez carne, isto é, Deus se materializou. Deus nunca foi visto por alguém. O filho unigênito, que está no seio do Pai, esse o revelou. É isso que João nos ensina com sua história. Jesus é narrado como Deus no evangelho de João. Os fundamentalistas dizem ser Jesus 100% humano e 100% deus, mas isso é mentira. 

Conclusão
A concepção de um criança sem um ato sexual é um mito, uma fabula. Mas ficou tão famosa no mundo que a mentira se tornou verdade. O velho testamento é a mitologia judaica. O novo testamento é outra mitologia, são fabulas cristãs. Hoje temos duas mitologias juntas que não batem de jeito nenhum. Mesmo analisando as duas separadamente ha contradições gritantes.
Jesus existiu, mas era um homem comum.