sábado, 14 de setembro de 2013

MARIA UMA FALSA VIRGEM


Introdução: Jesus realmente nasceu de uma virgem? Seria este um dos grandes mitos do cristianismo? Qual é a base para tal ensino? Porque os anos da adolescência de Jesus não foram narrados na bíblia e em nenhum outro lugar? Vamos analisar cada detalhe desta doutrina que atravessou gerações. Que Jesus realmente existiu isso não é mais um problema para historiadores e pesquisadores, Jesus Cristo realmente esteve entre nós, mas não como é pintado pela igreja. A grande dúvida é: como Jesus se tornou carne? Temos 3 possibilidades:
1. Nasceu de uma virgem (suposto milagre);
2. Era filho de José e Maria (Adocionismo / Sexo);
3. Encarnação (Se Materializou adulto). 

-Jesus filho de Davi-
Encontramos em 17 passagens do NT que descrevem Jesus como o filho de Davi. Mas como Jesus poderia ser o filho de Davi, se Davi morreu cerca de 1.000 anos antes de Cristo encarnar? Em Mateus 1 é relatado uma suposta arvore genealógica de que Jesus, na sua humanidade, foi um descendente de Davi por intermédio de José, o “pai adotivo” de Jesus. A genealogia de Lucas 3 é diferente, pois relata a genealogia dos antepassados de Maria que também é da linhagem de Davi. Se Jesus era filho somente da virgem Maria, (supondo que seja do espírito santo), Jesus levava consigo o sangue de Maria correndo em suas veias, logo levava em si material genético de uma pecadora, pois a virgindade de uma mulher não a torna santa. Tudo mentira!

Jeová declarou que o Sêmen é imundo; Lv 15:16. E Jeová também considerou a Menstruação da mulher impura, na lei tudo era imundice; Lv 18:19. Como uma mulher virgem pode ser considerada santa, se Jeová a considerou impura por sua menstruação? Dentro desta perspectiva concluímos que: Jesus é um descendente de Davi, por adoção através de José, e pelo sangue por meio de Maria. Mas essa tese é absurda, pois ninguém é considerado descendente legítimo se não houver um ato sexual entre um homem e uma mulher. 

Nessa troca de líquidos e fluidos, há sangue misturado com material genético. Jesus vindo do sêmen de José ou vindo de Maria virgem, dá no mesmo, a contaminação pelo sangue seria um fato. Partindo da ideia de que Jesus seria santo. Maria na sua virgindade pode ser considerada santa? Somente porque uma mulher nunca se relacionou sexualmente pode ser considerada sem pecado? É claro que não, todos pecaram menos Maria? Francamente!

-O Messias de Jeová-
Muitos associam a profecia do salmo 2 a Jesus Cristo, mas essa profecia não se cumpriu em Cristo, pois o messias do salmo 2 esmagaria as nações com vara de ferro, e quebraria os povos como o oleiro quebra o vaso. O messias do salmo dois vem derramar a ira de Jeová, e é o messias descrito no apocalipse. Como Jesus foi manso e teve um comportamento diferente, logo Jesus não herdou e nem herdará o trono Davi. Como uma profecia para um tempo presente pode ser declarada uma profecia futura? Jeová proclamou um decreto: Tu és meu filho, eu hoje te gerei, Sl 2:7. Esta profecia é repetida no suspeito livro de atos e no perigoso livro de hebreus cujo autor é desconhecido; At 13:33 / Hb 5:5.

No evangelho dos Hebreus não tem menção ao nascimento virginal e quando Jesus é batizado a obra afirma: Jesus saiu da água, o céu se abriu e viu-se o Espírito santo descer na forma de uma pomba e entrar nele. Em seguida, uma voz do céu disse: Esse é o meu filho amado, em quem me comprazo, Mc 1:11 / Mt 3:17. "Este é meu filho amado em que me comprazo", (agrado) é diferente de: Tu és meu filho hoje te gerei. Então o hoje do salmo 2 é o hoje depois do batismo de Jesus? Uma coisa não tem nada haver com a outra. Essa tese teológica não se sustenta.

-Adocionismo - 
Os cristãos acreditam que Jesus é o filho de Deus. A pergunta que se faz é: Jesus é filho de Deus, e os homens? São filhos de quem? Para a maioria dos adeptos do cristianismo, Jesus foi concebido pelo espírito santo e nasceu da virgem Maria. No entanto, há uma crença cristã chamada adocionismo. Os adocionistas acreditam que Jesus era 100% humano, nascido de uma união sexual entre José e Maria. Nesse caso, Jesus só se tornou divino mais tarde, em seu batismo. O adocionismo provavelmente surgiu entre os primeiros cristãos judeus, que procuravam conciliar as alegações de que Jesus era o filho de Deus, com o estrito monoteísmo do judaísmo (mas os judeus eram politeístas), onde o conceito de uma trindade era inaceitável. O início judaico-cristão dos evangelhos não faz nenhuma menção de um nascimento sobrenatural. Em vez disso, eles afirmam que Jesus foi gerado em seu batismo.

O credo de Niceia passou a afirmar que Jesus nasceu do "espírito santo" e da virgem Maria, como consta somente nos evangelhos de Lucas e Mateus, crença tal agasalhada pelos católicos e protestantes. Alguns estudiosos também vêem a teologia adocionista no evangelho de Marcos. Marcos tem Jesus como o filho de Deus, que ocorrem em pontos estratégicos do evangelho, em 1:1 e em 15:39. Mas o nascimento virginal de Jesus não foi narrado. A frase "Filho de Deus" não está presente em alguns manuscritos antigos de Mc 1:1.

Então o título de "filho de deus" para Jesus não é usado até seu batismo. Sendo assim, Marcos refletiria uma visão de adoção. No momento em que os evangelhos de Lucas e Mateus foram escritos, Jesus é retratado como sendo o filho de Deus, desde o momento do nascimento.

São Marcos e a Fonte Q?
A maioria dos estudiosos acreditam que o evangelho de Marcos foi o primeiro dos evangelhos canônicos a ser escrito, servindo como fonte para os evangelhos de Mateus e Lucas. A razão porque este evangelho recebe tanta atenção por parte pelos acadêmicos é a crença de que o evangelho de marcos e, provavelmente, a fonte Q, foram a base dos evangelhos sinópticos, como descrita na hipótese das duas fontes. Assim, os eruditos no NT concordam que o evangelho de Marcos é um documento, escrito em grego koiné, e que serviu de base para os evangelhos sinópticos. Ele fornece a cronologia geral da vida de Jesus, desde o batismo até o túmulo vazio, mas não fala sobre nascimento, virgindade de Maria e nem adolescia. O evangelho de Marcos é o mais curto dos evangelhos canônicos. Seus manuscritos, tanto os pergaminhos quanto os códices, possuem diferentes versões do texto, principalmente no início e no final.

-Final de Marcos-
A partir do século XIX, os estudiosos da crítica textual passaram a afirmar que Marcos 16:9-20, que descreve o encontro de alguns discípulos com Jesus ressuscitado, foi uma adição posterior ao evangelho, isto é, houve acréscimos e adulteração. Nesse caso, Marcos 16:8 seria o fim do evangelho de Marcos com a descrição do túmulo vazio, e que é precedido por uma declaração de um jovem vestido com uma túnica branca, afirmando que Jesus havia ressuscitado. Os últimos 12 versos estão faltando nos mais antigos manuscritos de Marcos. Além disso, o estilo destes versos é diferente do resto do evangelho, fica-se uma evidente interpolação. Em uma pequena quantidade de manuscritos, um final curto é incluído após Marcos 16:8, mas antes do final longo. E existe por si só em um dos primeiros códices latinos, e no codex bobiensis. Por volta do século V, pelo menos 4 finais diferentes foram encontrados. Possivelmente, o final longo (16:9-20) começou como um resumo das evidências para a ressurreição e a missão de Jesus para os apóstolos, com base em outros evangelhos. Provavelmente foi composto no início do século II, e incorporadas ao evangelho. Portanto, o evangelho de São Marcos originalmente terminou em 16:8. A explicação mais comum e aceitável é que o final foi perdido, se é que existiu o tal final.

-Maria é a virgem de Isaías 7:14?- 
Este é o texto em hebraico de Isaías 7:14 
(לָכֵן יִתֵּן אֲדֹנָי הוּא לָכֶם אוֹת הִנֵּה הָעַלְמָה הָרָה וְיֹלֶדֶת בֵּן וְקָרָאת שְׁמוֹ עִמָּנוּאֵל)

Leiamos a profecia: Portanto o Senhor mesmo vos dará um sinal: Eis que uma virgem conceberá, e dará à luz um filho, e será o seu nome Emanuel. Manteiga (coalhada) e mel comerá, quando ele souber rejeitar o mal e escolher o bem; (Tradução Almeida). Na tradução correta do hebraico sem manipulação fica assim: Portanto YHWH mesmo, vos dará um sinal: Eis que a jovem grávida, dada um filho, lhe deu por nome Emanuel. No hebraico o termo é עלמה, que significa a jovem ou moça, e não virgem. Todas as traduções que estiver à palavra virgem esta errada. Professores de hebraico podem confirmar esta informação. A conjugação do verbo esta no presente e não no futuro, ou seja, a jovem esta grávida, e não estará. Esta é uma profecia para a época presente, e não uma profecia para o futuro. Por isso a probabilidade desta jovem de Isaías 7 ser virgem é zero. 

Precisamos identificar quem é este Senhor, qual é o sinal, e quem é a “virgem”. Este senhor é Jeová. Preste muita atenção, pois uma grande mentira do cristianismo cairá ao chão. A criança é o Emanuel de Jeová, que não é Jesus Cristo, pois a profecia original teria sido proclamada em 734 A.C., antes que uma criança soubesse a diferença entre o bem e o mal, Rezim da síria (que ameaçava Israel na época) seria conquistada com guerras, ou melhor, carnificina. Esta profecia aconteceu 2 anos depois, quando a síria foi derrotada pelo rei da Assíria, Tiglate-Pileser III. Esta criança aparece no capítulo 8, onde se diz que, antes que ela tenha atingido a maioridade, peca da Samaria e o reino do norte de Israel seriam destruídos, o que ocorreu também pelas mãos da Assíria.

O texto hebraico se utiliza do singular para a primeira realização e do plural para a segunda, de longo prazo. Com a primeira, reassegura Acaz de que a aliança seria destruída antes que o Emanuel pudesse aprender a "rejeitar o mal e escolher o bem". Em Isaías 8:8, Isaías faz uma terceira profecia sobre o Emanuel, desta vez relacionada à invasão assíria da Judeia e ao cerco de Jerusalém durante o tempo de Ezequias. Abi, mãe de Ezequias, é por vezes identificada como sendo a jovem donzela de Isaías 7:14. A Assíria e Israel fizeram aliança para pelejarem contra Judá, Jeová interferiu no caso e disse: Isto não subsistirá, nem tampouco acontecerá. Jeová disse a Acaz para pedir um sinal de seu favor, mas Acaz se recusou, mesmo assim Jeová deu um sinal, e esse sinal é o nascimento do “Emanuel”; II Cr 28:16-21. Jeová fez fracassar a invasão de Israel e da Assíria contra Judá, mas Acaz pediu apoio justamente pra os reis da Assíria. Por causa disso Jeová enviou os babilônicos e a própria Síria para humilhar e destruir Judá.

O nascimento desse “Emanuel” como sinal, foi profetizado por Jeová pela boca de Isaías, e essa profecia já se cumpriu. O sinal era a criança, o Emanuel que simboliza “deus conosco”, ou seja, Jeová estaria com eles para dar vitória nas matanças. O Emanuel de Jeová significava vingança, despojo e mortes. Tudo isso aconteceu mais ou menos 700 anos antes do Cristo encarnar. Por isso o Emanuel não é Jesus Cristo, e a jovem donzela não é Maria, e muito menos virgem. A virgindade de Maria na concepção de Jesus é também uma doutrina no Islamismo. Os muçulmanos se referem a Jesus como "Jesus filho de Maria" (isa bin maryam), um termo repetidamente utilizado no corão. 

-Mateus 1:23-
A profecia de Isaías 7:14 é repetida em Mateus 1:23. Mateus ou o indivíduo que adulterou o evangelho, cometeu uma gafe, pois escreveu em grego sobre o nascimento virginal de Jesus, e cita o trecho de Isaías 7:14-16 da septuaginta, onde aparece a palavra (parthenos = virgem). O problema é que no hebraico traz "עלמה" (almah), que tem o significado de mulher solteira, noiva ou recém-casada, como é o caso da noiva de Acaz, Abi. Será que foi Mateus mesmo que citou a profecia de Isaías ou foi uma interpolação nítida e clara? Muito provável que a citação no evangelho de Mateus seja uma adulteração maldosa. Como a teologia não enxergou isso? Boa pergunta! Apenas nas traduções para o grego os verbos estão no futuro, ou seja, a mentira começa na tradução pro grego. A crença no mito começa quando se crê que pelo fato de uma mulher nunca ter transado, se torna santa, como se pecado se resumisse em um ato sexual.

-Jesus Negou ser o Primogênito de Maria-
Jesus não se casou, ou seja, se fez eunuco enquanto esteve entre nós, e isto era mau vista na época. Igualmente nos dias de hoje quem não se casa e não gera filhos, isto é, não forma uma família, gera preconceito. Jesus negou que Maria era sua mãe, e também negou que tinha irmãos de sangue. O texto diz assim: E, falando ele ainda à multidão, eis que estavam fora sua mãe e seus irmãos, pretendendo falar-lhe. E disse-lhe alguém: Eis que estão ali fora tua mãe e teus irmãos, que querem falar-te. Ele, porém, respondendo, disse: Quem é minha mãe? E quem são meus irmãos? E, estendendo a sua mão para os seus discípulos, disse: Eis aqui minha mãe e meus irmãos; porque, qualquer que fizer a vontade de meu Pai que está nos céus, este é meu irmão, irmã e mãe; Mc 3:31-35. Jesus tinha um Pai (celestial) mas não tinha pai e mãe (terreno). Por isso gerar filhos e perpetuar a vida mortal pode ser uma maldição, e não uma benção.

As pessoas confundem a palavra primogênito com unigênito. Primogênito significa o primeiro filho, e unigênito significa único gerado. Vamos ver o que diz Mateus 1:25: E não a conheceu até que deu à luz seu filho, o primogênito; e pôs-lhe por nome Jesus. A palavra primogênito não consta nos manuscritos em hebraico, este termo veio por influencia dos pais da igreja como dom Jerônimo e Aurélio Augusto. Maria e José tiveram muitos filhos por métodos naturais, o que garante que Jesus foi o primeiro se Jesus negou ser filho de Maria e de José? A igreja católica diz que Maria era virgem antes ter Jesus e continuo virgem até o fim de seus dias. Mentira! José e Maria tiveram outros filhos com José, Mt 13:55-56. Muito bem, vamos agora analisar o relato de Lucas e juntar o quebra cabeça.

Anjo Gabriel

Vamos analisar a narração de Lucas sobre o nascimento de Jesus: E, no sexto mês, foi o anjo Gabriel enviado por “deus” a uma cidade da Galiléia, chamada Nazaré, a uma “virgem” desposada com um homem, cujo nome era José, da casa de Davi; e o nome da virgem era Maria. E, entrando o anjo aonde ela estava, disse: Salve, agraciada; o “Senhor” é contigo; bendita és tu entre as mulheres. Disse-lhe, então, o anjo: Maria, não temas, porque achaste graça diante de "deus". E eis que em teu ventre conceberás e darás à luz um filho, e por-lhe-ás o nome de Jesus. Este será grande, e será chamado filho do altíssimo; e o Senhor Deus lhe dará o trono de Davi, seu pai; e reinará eternamente na casa de Jacó, e o seu reino não terá fim. E disse Maria ao anjo: Como se fará isto, visto que não conheço homem algum? E, respondendo o anjo, disse-lhe: Descerá sobre ti o espírito santo, e a virtude do altíssimo te cobrirá com a sua sombra; por isso também o santo, que de ti há de nascer, será chamado filho de Deus. Alguns pontos devem ser observados:
[1] O anjo dá a entender que nascer do sexo, significa nascer do pecado, e que não nascer de uma relação sexual torna um ser humano santo. Pergunta: Quem disse que o sexo é que torna um ser humano pecador? Quem disse que o problema é o ato sexual em si? [2] De onde Lucas tirou o nome Gabriel? [3] Gabriel disse a Lucas que este “Jesus” herdaria o trono de Davi. Como já vimos Jesus não herdará o trono de Davi. Se Jesus não pode ser considerado filho de Davi por causa de José (supondo que não houve o ato sexual), Jesus então é filho de Davi por causa de Maria pelo sangue, pois Maria é descendente de Davi segundo a genealogia de Lucas. Essa história de descendente de Davi por adoção por causa de José é falácia. Maria também era da linhagem de Davi pelo sangue.
Um anjo vem a José e atesta a tradução de uma profecia em grego, e não no que esta no hebraico. Se no hebraico esta escrito jovem ou moça, como um anjo vem atestar a virgindade de uma mulher que não é a mesma da profecia de Isaías? O anjo Gabriel trás uma tradução em grego e não em hebraico, como fica? Apenas nas traduções para o grego os verbos estão no futuro, ou seja, a mentira começa na tradução pro grego. Todos os nomes dado aos anjos são invenções humanas, e Lucas inventou Gabriel.

O anjo Gabriel aparece pela primeira vez em Daniel 8, anunciando acontecimentos catastróficos. Gabriel veio anunciar a ira do deus Jeová. Depois Gabriel é citado em Daniel 9, do verso 21 em diante revelando a interpretação do sonho que fora dado a Daniel que diz respeito a acontecimentos que constam no apocalipse, ou seja, o anjo Gabriel veio anunciar morte e destruição.

O anjo Gabriel reaparece no evangelho de Lucas anunciando o nascimento de Jesus, mas o anuncio do nascimento de Jesus não bate com o que foi anunciado no relato de são Mateus. Vale lembrar que Lucas não andou com Jesus, Lucas era historiador e médico, Lucas era um homem que entendia de historia. Quem então revelou esse nome pra Lucas? Pura invenção.


Respeitando ponto, virgula, passado, presente e futuro podemos entender o mistério: Mateus relata que o nascimento “foi assim”, ou seja, não foi de outra forma. Maria “achou-se”, já estava grávida. O anjo apenas veio lhe informar da gravidez. No relato de Mateus não tem anjo Gabriel. Segundo Mateus ou da pessoa que escreveu, Maria já estava grávida, e no relato de Gabriel a Lucas, Maria iria engravidar, o verbo esta no futuro. As duas narrativas não batem, são contraditórias. Existem muitas outras contradições no evangelho de Mateus com o de Lucas, como no caso da historia do centurião, Mateus 8 e Lucas 7 também não batem.

-Jesus Nasceu em 25 de Dezembro?-
Mateus afirma que o nascimento aconteceu durante o reinado de Herodes, sugerindo que Jesus pudesse ter até 2 anos de idade quando se teria ordenado o massacre dos inocentes. Lucas similarmente coloca o nascimento de Jesus como tendo ocorrido durante o reinado de Herodes, mas afirma que o nascimento aconteceu durante o censo de Quirino das províncias romanas da síria e Judéia, ou seja, uma década depois da morte de Herodes. O livro de Marcos é o mais antigo, Mateus e Lucas são praticamente copias. Nem Mateus, nem Lucas dão prioridade à virgindade de Maria, e no livro de marcos o assunto do nascimento nem é citado. Complicado hem... 

Milhões de pessoas em todo mundo celebram o aniversário de Jesus Cristo em 25 de dezembro. A verdade, entretanto, é que ele não nasceu no dia 25 de dezembro. A teoria mais forte é que a data tenha sido escolhida para se contrapor à principal festa religiosa dos romanos, do deus sol, que se dava na noite do dia 24. Na data, os romanos celebravam o solstício de inverno, quando acontecia a noite mais longa do ano. O ano de nascimento de Jesus, que marca o início da contagem do calendário que usamos o AC e DC está errado. Os evangelhos não fornecem datas precisas, apenas indícios. E muitas variáveis devem ser consideradas, como a diferença de calendários adotados por judeus e romanos à época.

Segundo o cristianismo, Maria teria dado à luz em Belém. Mas o local também é contestado por alguns estudiosos e arqueólogos. Belém, que fica na Judeia  é citada nos evangelhos de Lucas e Mateus, mas os especialistas dizem haver indicações de que ele teria nascido na Galileia, onde começou a pregar. O fato de ambos evangelhos situarem o nascimento em Belém é visto como uma tentativa de associar Jesus à profecia de Miqueias, que o messias esperado pelos judeus nasceria naquela cidade. Acontece que o messias profetizado em Miqueias não é Jesus Cristo. Se nem data e local de nascimento estão livres de controvérsia, tampouco as imagens reproduzidas nos presépios mundo afora, com o menino na manjedoura recebendo a visita dos três reis magos, são encaradas por estudiosos como realidade, ou seja, tudo pode ser uma fábula da igreja católica e aceita pelos protestantes.

As narrativas sobre o nascimento foram feitas 3 ou 4 gerações depois, quando as informações históricas e os testemunhos diretos já estavam perdidos. Sem detalhes claros sobre o nascimento de Cristo, há quem duvide de sua existência. Na opinião de especialistas, entretanto, essas correntes apresentam mais motivações ideológicas do que históricas, uma vez que há sim, provas da existência de Jesus, mas não existem provas nenhuma de seu nascimento. Se colocarmos Jesus como ficção, temos que colocar boa parte da história antiga na linha da ficção. A quantidade de fontes antigas que mencionam Jesus é considerável, inclusive em obras não cristãs. Não faria sentido pensar que uma quantidade tão grande de fontes compostas quase ao mesmo tempo e por autores diferentes fizesse referência a uma pessoa que nunca existiu, ou que fosse fruto de uma invenção humana. A ideia de que Jesus seria uma invenção mítica surgiu por volta do século 18, e nenhum estudioso sério defende tal tese. O mito do nascimento virginal veio antes do cristianismo de diversas religiões e seitas, logo pode ter tudo sido uma cópia.

-Os Anos Ocultos da Vida de Jesus-
A bíblia não menciona nada sobre a vida de Jesus dos 12 aos 30 anos. Assim tudo o que é dito sobre ele nesse período são suposições. E o mais estranho ainda é que somente Lucas nos dá uma migalha de informação sobre este período da vida de Jesus, Lc 2:40 e 52. Será que podemos colocar isso como doutrina? De onde Lucas tirou essa informação? A única referência à adolescência de Jesus nos evangelhos canônicos ocorre em Lucas, conhecido como "Jesus entre os doutores". Segundo este evangelista, aos doze anos Jesus foi com os pais de Nazaré a Jerusalém, para a festa da páscoa judaica, e lá surpreendeu os doutores do templo pela facilidade com que aprendia a doutrina, e por suas perguntas intrigantes.

-A Materialização do Cristo na visão de São João-
O evangelho de João não tem nascimento de virginal, não tem informações sobre adolescência e não tem anjo Gabriel, Cristo aparece do nada, e João quando o vê em sua forma física declara: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo Jo 1:29 e 36. Cristo é relatado em João como tendo duas naturezas: Uma divina e outro material. João apresenta um Jesus sem poderes sobrenaturais, mas também mostra um Jesus com a plenitude de seu Pai em movimento dentro de si. Jesus (João) disse: Na verdade, na verdade vos digo que o filho por si mesmo não pode fazer nada, se o não vir fazer o Pai; porque tudo quanto ele faz, o filho o faz igualmente; Jo 5:19.

João inventou essa fabula, João 1 diz: No princípio era o verbo (palavra), e o verbo estava com Deus, e o verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus. Todas as coisas (poder dado aos Elohins) foram feitas por ele, e sem ele nada do que foi feito se fez. Nele estava à vida, e a vida era a luz dos homens. E a luz resplandece nas trevas, e as trevas não a compreenderam. Ali estava a luz verdadeira, (se existe a luz verdadeira, existe uma falsa) que ilumina a todo o homem que estava vindo ao mundo. Jesus é narrado como a luz do mundo, não é a carne de Jesus que é a luz, mas o Cristo em sua divindade é a luz, segundo São João.

Continuando: E o verbo se fez carne, e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do unigênito (único gerado) do pai, cheio de graça e de verdade. Como o verbo se fez carne? Justamente esta é a resposta! Cristo é o verbo (palavra), se fez carne, isto é, Deus se materializou. Deus nunca foi visto por alguém. O filho unigênito, que está no seio do Pai, esse o revelou. É isso que João nos ensina com sua história. Jesus é narrado como Deus no evangelho de João. Os fundamentalistas dizem ser Jesus 100% humano e 100% deus, mas isso é mentira. 

Conclusão
A concepção de um criança sem um ato sexual é um mito, uma fabula. Mas ficou tão famosa no mundo que a mentira se tornou verdade. O velho testamento é a mitologia judaica. O novo testamento é outra mitologia, são fabulas cristãs. Hoje temos duas mitologias juntas que não batem de jeito nenhum. Mesmo analisando as duas separadamente ha contradições gritantes.
Jesus existiu, mas era um homem comum. 

domingo, 1 de setembro de 2013

ATÉ QUANDO?

O ciclo da vida é: Nascer, crescer, envelhecer e morrer. Comer, beber e dormir.

  1. Até quando vai nascer e morrer gente?
  2. Até quando vai ter violência e o ódio?
  3. Até quando sentiremos dores no corpo e na alma?
  4. Até aonde vai a inveja e a ganância pelo poder?
  5. Até quando seremos manipulados geneticamente?
  6. Quantos milhares de animais serão mortos ainda para servir de alimento?
  7. Quantas crianças serão assassinadas e mulheres estupradas?
  8. Quantos abusos sexuais ainda contra bebes?
  9. Quantas guerras ainda? Quantos humanos serão pisados?
  10. Quantas pessoas irão morrer de fome e de sede?
  11. Quantas pessoas serão queimadas vivas e esquartejadas?
  12. Até quando vai nascer gente com deficiência física?
  13. Até quando seremos escravos de um sistema capitalista?
  14. Até quando haverá pobres e miseráveis?
  15. Até quando seremos enganados pelas religiões?
  16. Até quando teremos que trabalhar e dar nosso dinheiro ao governo?
  17. Até quando a injustiça prevalecerá?
  18. Até quando seremos subjugados e humilhados?
  19. Até quando seremos combustível para o fogo?
  20. Até quando vão nos enganar?
Pra que serve o homem? Pra que serve a vida material? Por que estamos vivos? Porque fomos gerados para nascer, pecar e morrer? Até quando seremos escravos de nós mesmos? Quantas mortes? Quantas dores? Quantas desgraças ainda... Até quando? Quando seremos livres de verdade? Quando seremos felizes por completos, e não apenas momentos felizes, ou alguém é feliz todos os dias? Momentos felizes não têm nada haver com felicidade plena. Estamos presos num planeta que se chama inferno.

Salomão, o único homem da bíblia ligado ao número 666, na sua sabedoria terrena disse: Não há nada melhor para o homem do que comer e beber, e fazer com que sua alma goze do bem do seu trabalho; Ecl 2:24. Será que todos conseguem gozar do fruto de seu trabalho?

E olhei eu para todas as obras que fizeram as minhas mãos, como também para o trabalho que eu, trabalhando, tinha feito, e eis que tudo era vaidade e aflição de espírito, e que proveito nenhum havia debaixo do sol; Ecl 2:11. Assim que também isto é um grave mal que, justamente como veio, assim há de ir; e que proveito lhe vem de trabalhar para o vento, Ecl 5:16. Infelizmente tudo isso é verdade.


Melhor é o dia da morte do que o dia do nascimento de alguém; Ecl 7:1. Ou seja, quem morre descansa desta vida maldita, mas quem nasce irá sofrer males determinados. Que proveito tem o homem, de todo o seu trabalho, que faz debaixo do sol? Ecl 1:3. Tudo é aflição de espírito e gera angustia ao coração. Mateus escreveu uma verdade: Não é a vida mais do que o mantimento, e o corpo mais do que o vestuário? Mt 6:25. Eu pergunto: Se a vida terrena é nada, pra que então estamos aqui? A vida é isso: Comer e beber e depois...


Tudo vira Bosta


Aprecie essa bela canção da Rita Lee.